Totem American Bulldogs

AB Tour 2002 PDF Imprimir E-mail
Índice do Artigo
AB Tour 2002
Dia 1 - Colby Martin - County Line Kennels
Dia 2: John D. Johnson e Scott Weaver - JDJ Kennels
Dia 3: Dixie Luckman - Cedar Creek Kennels
Dia 4: Cheryl Devine - Something Special Kennels
Todas as Páginas

"Existem apenas 2 tipos de American Bulldogs: Aqueles que são 100% Johnson, e aqueles que gostariam de ser 100% Johnson
(Frase famosa do Sr JDJohnson)

 

A inspiração...

Já a alguns anos tenho estado envolvido com a criação de cães da raça American Bulldog (Bulldog Americano), procurando sempre participar ativamente das discussões, sejam dentro ou fora do Brasil, sobre todos os aspectos ligados a raça (questões de saúde, linhagens, características, problemas, etc).

Ao mesmo tempo que crescia o meu interesse e apego à raça, crescia também minha vontade de conhecer "ao vivo" o local onde tudo começou, na cidade de Summerville, Georgia, sul dos EUA, mais especificamente no quintal da casa do Sr John D. Johnson. Acho que deve ser desejo similar ao dos Católicos mais fervorosos de conhecerem o Vaticano, ou dos muçulmanos de irem até Meca.

No ano de 2001 já havia aproveitado uma ida aos EUA a trabalho para visitar alguns criadores em Illinois (Leaster Halloway, Halloway Kennels e Tony Mancera, Mancera Bulldogs) e em New York (Paul Ciancio - Atomic Bulldogs). Essas três visitas foram ótimas e valiosas, mas faltava ainda uma ida ao local onde tudo começou...

A oportunidade surgiu nesse ano (2002), quando fui designado pela empresa onde trabalho para participar de um congresso em Orlando, na Florida. Todos os planos foram então traçados para que eu pudesse conduzir o que passei a chamar de Bulldog Tour 2002 na seqüência do congresso, aproveitando um período de 15 dias de férias, criteriosamente escolhidos para se encaixarem à seqüência do congresso.

Planejamento da tour...

A escolha dos criadores a serem visitados, bem como o planejamento das visitas foi um história mais longa, e mais complicada. Inicialmente a idéia era visitar a Georgia, Tennesse e Missouri, visitando ao todo 8 criadores. Na hora de encaixar a data das visitas, porém, a história foi bem mais difícil, já que a maioria dos criadores possuem outros trabalhos além da criação de cães, que é geralmente feita de forma artesanal (hobby) pelos criadores que me propus a visitar.

No final consegui encaixar 5 visitas, sem contudo perder as visitas que considerava mais importantes. As visitas ao Jeff Dailey e o Vito Alu (no Missouri) ficaram para uma outra vez, dado à grande distância física entre o Tenesse e o Missouri (mais de 500 Kms)

Pé-na-estrada...

Na quinta feira cedo, imediatamente após o final do congresso, coloquei o pé-na-estrada, em direção ao norte, partindo de Orlando, Flórida, pela rodovia Turnpike, a bordo de um GM Cavalier (carro mais barato que consegui alugar).

A primeira parada foi a pouco mais de 7 horas de Orlando, na pequenina vila de Pineview, onde visitei o canil County Line (veja todos detalhes dessa visita dessa visita). A visita durou cerca de 3 horas, e dezenas de fotos! Já ao cair da noite segui minha viagem, sempre em direção norte. A próxima visita estava marcada para o canil Something Special, ao norte de Atlanta (capital da Georgia), a cerca de 200 milhas norte de Pineview. Acontece que a Cheryl pegou uma gripe, e a visita precisou ser adiada.

Continuei então em direção ao Noroeste, com direção a Summerville, capital mundial do Bulldog Americano, onde visitaria o Sr Johnson e o Scott Weaver, atual só cio do Sr John D. Johnson na criação de ABs (Veja os detalhes)  Isso já era sábado. Summerville é um lugar "perigoso" para um "forasteiro", e chegar até a casa do Sr Johnson não é fácil. Para evitar errar o caminho, o Sr Johnson preferiu me encontrar no estacionamento do único supermercado da cidade.

Acabamos indo direto visitar juntos o Scott Weaver, que é onde se encontram 90% dos cães do Sr Johnson. Para tal dirigimos cerca de 40 kms por diversas estradinhas, bem no estilo da velha Georgia. A visita ao Scott e a Suzan Weaver foi a mais longa de todas. No caminho de volta paramos então na casa do Sr Johnson, onde conversamos por um bom tempo, e tive a oportunidade de conhecer pessoalmente a sala da casa do Sr Johnson, com todas as fotos e desenhos de bulldog americano.

O domingo tinha sido reservado para uma visita à Dixie Luckman (Canil Cedar Creek), talvez a mais importante criadora de Bulldog Americano da atualidade (depois do próprio Sr Johnson), casa do Big Boomer, e berço de muitos dos melhores cães da atualidade. O caminho da casa do Sr Johnson até a fazenda da Dixie (que fica no oeste do Mississipi) é de cerca de 300 milhas, e cerca de 7 horas. A Dixie possui no momento nada menos que 33 cães! (Veja todos os detalhes dessa visita).

Já no caminho de volta consegui finalmente confirmar a visita à Cheryl Devine, canil Something Special. Infelizmente quando cheguei já havia caído a noite, e não deu para ver direito os cães da Cheryl, incluindo o famoso S.S. Cracker (Veja os detalhes).

Com a visita à Cheryl concluíu-se a Bulldog Tour 2002.

Algumas conclusões e insights principais...

Algumas conclusões tiradas a partir dessa visita, de 2002. Note que são conclusões pessoais, baseadas no que vi. Não são pois a "verdade final" sobre as coias.

Tamanho dos cães - Todos os criadores que conversei, com exceção da Cheryl, possuem como um dos objetivos da sua criação a obtenção de cães de grande porte, exatamente como sugerido pelo próprio Sr Johnson. A maioria dos cães que ví são maiores que os cães que temos aqui no Brasil (pelo menos os que conheço). Isso é interessante já que outros criadores importantes nos EUA, entre eles Jeff Dailey e Vito Alu não estão preocupados nem um pouco com o tamanho dos seus cães. Isso sem contar que a incidência de problemas tais como displasia parece ser proporcional ao tamanho dos cães.

Displasia - A questão da displasia entre os criadores que visitei varia desde a postura do Martin (canil County Line) que acha que é primordial que TODOS os cães sejam radiografados e com laudo antes de se pensar em cruzar esses cães, até posturas bem mais antagônicas, como a da Cheryl Devine, que acha importante se preocupar com displasia, mas desconversa quanto perguntei sobre os laudo de displasia de seus cães (o que ajuda a explicar a pouca reputação da mesma com relação à comunidade de criadores de AB)..

Todos os criadores confirmam a pressão crescente por parte dos "clientes" com relação a displasia. Não basta mais oferecer garantia de substituição de cães defeituosos. Muitos clientes agora insistem em ver chapas e laudos de displasia antes de comprarem filhotes, como reportado pela Dixie do canil Cedar Creek. Ao mesmo tempo muitos clientes ainda desconhecem totalmente esse problemas, e estão apenas preocupados com um ou dois aspectos do cão, como tamanho e cor. Tamanho e pedigree, etc.

Qualidade dos cães - Quanto à qualidade dos cães que vi, realmente tive a chance de ver de tudo, desde cães excepcionais como o BraveHeart Hugo e o Big Boomer, até cães realmente ruins, de péssima conformação, e ainda assim sendo usados na criação. Comparado aos cães que já ví aqui no Brasil, acho que não estamos muito atrás nesse critério específico.

Conformação - Muitos dos cães que vi possuem os cotovelos jogados (empurradas) para fora, em alguns casos de forma bastante exagerada. Hoje sabe-se que isso é um problema (ao invés de uma característica desejável), já que propicia o aparecimento da displasia de cotovelo, causando também uma movimentação pobre do cão. Outro problema que notei em muitos cães 100% Johnson é o " jarrete de vaca", que de novo é uma característica não desejável para a raça.

Temperamento- Todos os cães que vi me pareceram bastante tranquilos, apesar de latirem na minha presença (alguns mais, outros menos). Uma curiosidade é que o Sr Johnson insistiu várias vezes que o AB já possui o instinto de proteção "nato", e que portanto não é necessário adestramentos avançados de proteção para que ele faça uma boa guarda.


Parede da sala da casa do Sr Johnson, recheada de fotografias e desenhos de Bulldogs Americanos


Sugar Tuffie, uma das fêmeas favoritas do Scott e da Suzie Weaver

***************


Vista do canil de Scott & Suzan Weaver, parceiros comerciais do Sr Johnson, e responsáveis pela criação do Sr Johnson. Eles possuem atualmente cerca de 15 cães.


Maior cão macho do Sr Johnson atualmente

***************


Essa é Violet "Blue", fêmea 100% Johnson, com certificado de displasia. Talvez a melhor fêmea que eu vi durante a Bulldog Tour


Big Boomer - Mais importante padreador 100% Johnson nos anos 90.

***************


Vista do Canil Something Special, Georgia, USA



 
 
Joomla 1.5 Templates by Joomlashack